Meu nome é Luciano Lobato, sou psicólogo clínico e comunitário, mestre em psicologia pela PUC-SP (CRP 06/80.478).

Eu ajudo as pessoas a melhorarem suas vidas, mudando as situações em que se encontram, suas ações, pensamentos, sentimentos e a forma com que enfrentam problemas emocionais e sociais. Faço isso para recuperar ou aumentar o propósito, significado e vitalidade em suas vidas através de psicoterapia baseada em evidências que cocrio com a pessoa sendo atendida – provendo um relacionamento terapêutico curador, facilitando atividades e vivências experienciais terapêuticas, e trazendo questões de justiça social para a pauta terapêutica como forma de empoderamento psicológico e social.

O trabalho terapêutico integrativo e baseado em evidências que conduzo é norteado por:

  • Prover um relacionamento terapêutico que faça uma conexão humana curadora;
  • Facilitar determinadas vivências e atividades terapêuticas que têm comprovação científica para um novo aprendizado experiencial curador;
  • Trazer um empoderamento e libertação através da criação de uma consciência crítica e construtiva para realizar mudanças sociais em situações ruins na vida.

Tenho como valores norteadores do meu trabalho e vida: transformação social, autonomia, solidariedade e autogestão. Acredito mais do que tudo no valor da conexão humana e na sabedoria, tanto para ter coragem de mudar o que pode ser mudado & serenidade para aceitar o que não pode ser mudado, quanto na forma de confiança (esperança pelo melhor da humanidade e coragem para organizar as condições para esse melhor) & prudência contra a dominação, opressão e injustiça social.

Psicoterapia

As abordagens terapêuticas que utilizo predominantemente são: Terapia de Aceitação e Compromisso (ACT – Acceptance and Commitment Therapy), Ativação Comportamental, Emotion Efficacy Therapy, Terapia Focada na Compaixão, Terapia Interpessoal, Terapia de Resolução de Problemas, Terapia Cognitivo-Comportamental e Terapia Focada nas Emoções. Todas essas são terapias validadas como efetivas para problemas emocionais como:

  • Ansiedade;
  • Depressão;
  • Estresse;
  • Bipolaridade;
  • Dor crônica;
  • Obesidade;
  • Diabetes;
  • Fobia social;
  • Fobias específicas;
  • Síndrome do pânico;
  • Transtorno obsessivo-compulsivo;
  • Abuso de substâncias;
  • Entre diversas outros.

Essas psicoterapias maximizam o potencial humano para uma vida plena e significativa principalmente através de 3 elementos chaves:

  • Ativação (ações comprometidas com os nossos valores): nos ajudando a esclarecer o que realmente é importante para nós mesmos e usando esses valores para guiar nossas ações para construir a vida que queremos;
  • Mindfulness (atenção plena): nos ensinando habilidades psicológicas de atenção plena (mindfulness) para lidar com emoções e pensamentos difíceis ou indesejados que podem estar servindo de obstáculos para construir a vida que queremos.
  • Processamento emocional (emoções como organizadores mentais): ter consciência das emoções, saber lidar com elas, saber extrair a sabedoria delas (o que elas comunicam, a motivação delas, o que elas apontam como importante ou necessidades), escolher como usá-las, transformando-as em aliadas ao invés de inimigas ou autoridade. Com o processamento emocional, vêm:
    • Poder para experienciar a si mesmo como distinto das suas emoções;
    • Poder para experienciar emoções intensas, ao invés de reagir ou evitá-las;
    • Poder para escolher ações baseadas em valores, mesmo quando engatilhado emocionalmente;
    • Poder para escolher estratégias para regular as emoções e não tornar as situações ainda piores.

Trago também um foco muito grande na conexão humana na forma do relacionamento terapêutico curador do sofrimento emocional. Afinal, o sofrimento emocional surge das relações com com os outros, e é somente nas relações com os outros que esse sofrimento pode ser curado.

Como último elemento que trago para a psicoterapia são questões de desequilíbrios de poder e injustiças sociais como fontes do sofrimento emocional e, consequentemente, abordagens de justiça social (como a Psicologia da Libertação, Liberation Health, Terapia Narrativa). Acredito que é possível fazer uma psicologia que não seja cúmplice de sistemas dominantes e opressivos que causam sofrimentos emocionais, mas sim a serviço da libertação, empoderamento, justiça social, transformação social e autogestão.

WhatsApp Agende uma sessão