Visualização como o novo Abstracionismo

Abstracionismo

A arte abstrata é o tipo de arte que tem como objetivo transmitir a qualidade ou propriedade de algo (ou de relações), sem representá-la sob uma forma definida ou figurada. Como linguagem pictórica, podemos falar que é uma forma de oração sem sujeito (formada apenas pelo predicado), por isso, causa uma certa estranheza à primeira vista, fugindo da representação da nossa realidade visível.

trafalgarsquarebypietmondrian

Do ponto de vista psicológico, podemos entender a abstração como o processo no qual ocorre uma discriminação baseada em uma propriedade singular do estímulo (independente de outras propriedades), e ao mesmo tempo, uma generalização entre todos os estímulos com tal propriedade. Quando abstraímos, generalizamos através da redução do conteúdo da informação de um conceito ou fenômeno, para reter apenas a informação que é relevante para o nosso objetivo no momento.

Visualizações

Em visualizações científicas (sciVis), o normal é termos uma figuração, um retrato 3d aumentado da realidade. A visualização científica foca principalmente na visualização de fenômenos tridimensionais, tendo como ênfase a renderização realística de volumes, superfícies e outros atributos físicos e geométricos do fenômeno sendo visualizando.

300px-Instability

Já na visualização da informação (infoVis), o normal é trabalharmos com dados abstratos – dados que não possuem uma representação espacial inerente, não permitindo um mapeamento simplesmente geométrico. Porém, como qualquer outra visualização (começo a pensar que qualquer projeto digital), tem o objetivo de aumentar quantitativamente a cognição através de mudanças qualitativas da percepção (como um dos melhores exemplares, temos a “realidade aumentada”). Como diz Card, a visualização da informação deve fazer pela mente o que os automóveis fazem para os pés.

treemap2
testa

Alguns atributos visuais são interpretados mais acuradamente como quantidades (dimensões aditivas), como por exemplo, o comprimento, enquanto outros são interpretados mais acuradamente como qualidades (dimensões substitutivas), como por exemplo, a matiz de cor. Outros ainda são interpretados acuradamente como quantitades e qualidades, como é o caso da posição. Estas abstrações ou variáveis visuais é que são utilizadas quando vamos projetar uma visualização com base em dados abstratos.

Manovich e a arte anti-sublime

Manovich, fazendo uma ponte entre a arte abstrata e a visualização, diz que como parte do modernismo, a arte abstrata reduzia a experiência particular, o específico para o abstrato, reduzindo a realidade para as idéias platônicas. A visualização, do mesmo modo que a arte abstrata moderna, também reduz o conteúdo da informação, mas para que possamos entender padrões e estruturas por trás do imenso e aparentemente aleatório conjuntos de dados que vivemos rodeados.

Manovich, diz porém, que se a arte moderna era em algum sentido (duchampiano) “anti-retiniana” (reduzindo a diversidade da experiência familar do dia a dia à estruturas mínimas e repetidas), a visualização vai no sentido oposto: o mesmo conteúdo pode gerar diversas imagens diferentes. Uma mesma história pode ser contada através de diferentes imagens. A visualização também iria pro sentido oposto da arte romântica. Enquanto os artistas românticos concebiam certos fenômenos como não representáveis, como além dos limites dos sentidos e da razão humana (por serem sublimes), a visualização visa mapear tais fenômenos (complexos, grandiosos) em representações cuja escala seja comparável com a escala da percepção e cognição humana, ou seja, tornar apreensível e material ao olho humano algo que não se consegue conceber.

O trabalho do Jonathan Harris também parece se mover nessa direção. Em seus projetos, procura demonstrar os arquétipos, as generalizações, o quanto as pessoas têm em comum, apesar de suas diferenças.

Notas de Rodapé

Alguns colegas e eu estamos fazendo alguns experimentos de visualizações aqui. Alguns exemplos:

Roberto Michelleti, Honduras
The Top 50 most expensive cities, 2009


Consultor de Behavioral Design, Experience Design, e mestre em Psicologia Experimental. Mais sobre meu histórico profissional e formação acadêmica, você encontra no LinkedIn. Minha missão é fazer do mundo um lugar melhor pras pessoas & fazer da humanidade uma espécie melhor para o mundo. Para tal, projeto ambientes construídos que influenciam positivamente as ações das pessoas.


One comment


Leave a Reply